Oscar Niemeyer | CCON

Oscar Niemeyer



Em 1907, na então capital federal, o Rio de Janeiro, nasceu um dos maiores nomes da arquitetura brasileira e mundial: Oscar Niemeyer Soares Filho. Grande representante da arquitetura moderna. Graduou-se arquiteto e engenheiro pela Escola Nacional de Belas Artes em 1934. Logo, ingressou no escritório de Lúcio Costa e Carlos Leão, começando a carreira como voluntário. A escolha foi motivada por estar entre consagrados profissionais da área, "onde esperava encontrar respostas" e por não se adaptar a arquitetura comercial.

 

 

 


Oscar Niemeyer Soares Filho

 

O primeiro projeto em que colaborou, em 1936, sob a coordenação de Lúcio Costa e consultoria de Le Corbusier, foi a sede do Ministério de Educação e Saúde, no Rio de Janeiro, que é considerado um marco da arquitetura moderna. E, começou a ser internacionalmente reconhecido, a partir da elaboração do Conjunto Arquitetônico da Pampulha, em Belo Horizonte, por solicitação do então prefeito de Belo Horizonte, Juscelino Kubitschek.

Segundo o próprio Niemeyer, aquela foi "a oportunidade de contestar a monotonia que cercava a arquitetura contemporânea". As linhas ousadas e modernas da igreja de São Francisco de Assis, o Museu de Arte, a Casa do Baile e o Iate Tênis Clube traziam o estilo que seria a marca de Niemeyer.

O arquiteto integrou a equipe responsável pela elaboração do projeto da sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York no ano de 1947. Além de ter sido um dos responsáveis pelo projeto arquitetônico do Parque do Ibirapuera, na capital paulista, no início da década de 50, quando também projetou o Edifício Copan, que, com seu desenho sinuoso, tornou-se um dos símbolos da cidade.

Quando presidente da República, Juscelino Kubitschek volta a confiar um grande projeto a Niemeyer. Em 1956 começou a idealizar a nova capital federal, no centro do país. Com o plano urbanístico de Lúcio Costa, Brasília foi um dos maiores feitos da carreira do arquiteto. Em 1958, nomeado arquiteto-chefe das obras, transfere-se para Brasília, onde permanece até 1960. Os Palácios da Alvorada e do Planalto, o Congresso Nacional, a Catedral de Brasília, os ministérios, além de prédios residenciais e comerciais são verdadeiros símbolos da cidade e até do Brasil.

Assim, sua carreira ganha contornos internacionais e em 1972 inaugurou escritório em Paris. Diversos projetos foram executados por Niemeyer no exterior: a sede do Partido Comunista Francês, a Bolsa de Trabalho de Bobigny, o Centro Cultural Le Havre, na França; a Universidade de Constantine e a Mesquita de Argel, na Argélia; sede da Editora Mondadori, em Milão, entre muitos outros.

Em 1980 foi a vez de agradecer a seu grande apoiador ao projetar o Memorial JK, em Brasília. Já no final da década de 80, concebeu o Memorial da América Latina, em São Paulo. O Museu de Arte Contemporânea de Niterói foi erguido em 1994. Em 2002, Curitiba recebeu o Museu Oscar Niemeyer. Todas essas obras carregam o estilo inconfundível do mestre: linhas curvas e grandes estruturas de concreto que parecem flutuar suspensas no horizonte.

No ano em que completou o centésimo aniversário, em 2007, foi agraciado com a mais alta condecoração do governo francês pelo conjunto de sua obra: o título de Comendador da Ordem Nacional da Legião de Honra. Mas, incontáveis são também as homenagens que recebeu. Entre elas, os títulos de Doutor Honoris Causa, pelas Universidade de São Paulo e Federal de Minas Gerais; o Prêmio Pritzker de Arquitetura; o de Cavaleiro Comendador da Ordem de São Gregório Magno, do Vaticano; o Prêmio Leão de Ouro da Bienal de Veneza; a Royal Gold Medal, pelo Instituto Britânico de Arquitetura; o Prêmio da UNESCO, na categoria Cultura, entre muitos outros.

Em agradecimento ao Prêmio Príncipe das Astúrias das Artes, concedido pelo governo da Espanha, em 2007, iniciou as obras de um centro cultural que leva seu nome, em Avilés. O projeto espanhol conta com praça, auditório, cúpula, torre e um edifício polivalente e foi inaugurado em 2011.

Assim como na Espanha, a cidade de Goiânia, em Goiás, também tem seu Centro Cultural Oscar Niemeyer. Construído em 2006, o espaço abriga a esplanada Juscelino Kubitschek; o Palácio da Música Belkiss Spenzieri; o Museu de Arte Contemporânea; o prédio da biblioteca e o monumento aos Direitos Humanos, que, segundo o próprio Oscar Niemeyer, é "um grande triângulo vermelho que confere ao projeto a importância desejada.

Fonte: www.oscarniemeyer.org.br