Programação | CCON
17/04

Quinta Clássica OFG

primeira Quinta Clássica da temporada 2014

  • primeira Quinta Clássica da temporada 2014

 

Sinopse do evento

A Orquestra Filarmônica de Goiás, um programa do Governo do Estado de Goiás vinculado ao Centro Cultural Oscar Niemeyer, realizará nesta quinta-feira, 17, a primeira Quinta Clássica da temporada 2014, no Teatro Goiânia. O concerto conta com a presença do convidado especial Fábio Zanon, um dos violonistas mais aclamados do mundo, sob a regência do maestro britânico Neil Thomson, diretor artístico e regente titular da Filarmônica. Devido à relação especial do público goiano com o violão e ao renome de Zanon, a expectativa é que esse seja um dos grandes concertos do ano na capital. O evento acontece às 20h30 e é aberto ao público, com entrada franca.

Mídias Sociais

facebook    youtube   

Orquestra Filarmônica de Goiás estreia Quinta Clássica no Teatro Goiânia com o aclamado violonista Fábio Zanon, sob a regência de Neil Thomson

 

A Orquestra Filarmônica de Goiás, um programa do Governo do Estado de Goiás vinculado ao Centro Cultural Oscar Niemeyer, realizará nesta quinta-feira, 17, a primeira Quinta Clássica da temporada 2014, no Teatro Goiânia. O concerto conta com a presença do convidado especial Fábio Zanon, um dos violonistas mais aclamados do mundo, sob a regência do maestro britânico Neil Thomson, diretor artístico e regente titular da Filarmônica. Devido à relação especial do público goiano com o violão e ao renome de Zanon, a expectativa é que esse seja um dos grandes concertos do ano na capital. O evento acontece às 20h30 e é aberto ao público, com entrada franca.

 

ATENÇÃO: Fábio Zanon e a orquestra estarão disponíveis para receber a imprensa nos seguintes ensaios:

16 de abril: 11h às 12h20 (Local: CCON)

17 de abril: 15h às 17h (Local: Teatro Goiânia)

 

FÁBIO ZANON

Uma das figuras dominantes no cenário internacional de violão clássico, como solista ou camerista, Fábio Zanon tem se apresentado por toda a Europa, América do Norte, América do Sul, Austrália e Oriente Médio, e é convidado regular de teatros como o Royal Festival Hall e Wigmore Hall em Londres, Carnegie Recital Hall em Nova York, Sala Verdi em Milão, Sala da Filarmônica de Varsóvia, Musikhalle em Hamburgo, Ateneo em Madri, KKR em Lucerna e todos os maiores teatros do Brasil.

Venceu por unanimidade dois dos maiores concursos internacionais: o 30° Concurso Francisco Tarrega na Espanha e o 14° Concurso da Fundação Americana de Violão (GFA) nos EUA. A essas vitórias seguiu-se uma turnê de 56 concertos nos EUA e Canadá e o lançamento de seus primeiros CDs.

Sua gravação da obra completa de Villa-Lobos, pelo selo americano Music Masters, é considerada uma referência e o CD Guitar Recital/Naxos, sendo escolhido pela revista Gramophone como o melhor de 1998: "Técnica fluente, grande beleza e variedade de som, resposta emocional finamente controlada, sensibilidade estilística".

Desde 2008 é professor visitante da Royal Academy of Music de Londres. Em 2013 assumiu a coordenação artística e pedagógica do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão.

 

NEIL THOMSON

Thomson é um dos mais respeitados maestros britânicos de sua geração. Nascido em 1966, estudou com Norman Del Mar na Royal College of Music em Londres e mais tarde em Tanglewood, com Leonard Bernstein e Kurt Sanderling.

O maestro assumiu em 2014 a regência titular e direção artística da Orquestra Filarmônica de Goiás.

Ele já gravou com a Orquestra Sinfônica de Londres, Orquestra Filarmônica Real de Liverpool e trabalhou nos concertos da Orquestra Filarmônica de Londres, da Philharmonia, da Orquestra Filarmônica da BBC, da Royal Scottish National Orchestra, da Hallé, da Orquestra Filarmônica Real, da Aarhus Symphony Orchestra, da Orquestra do Teatro Massimo em Palermo, Orquestra Sinfônica de Yucatan no México, Romanian Radio Chamber Orchestra e a RTE Concert Orchestra. Em maio de 2005, o maestro foi convidado para reger o concerto em homenagem ao cinquentenário da morte de George Enescu com a Orquestra Nacional da Romênia e os solistas David Geringas e Carmen Oprisanu.

Colaborações recentes incluem o Schumann Cello Concerto com Steven Isserlis, a Ópera Gala com Danielle de Niese, o Concerto para piano n. 2 em lá maior, de Franz Liszt e o Concerto para Piano n. 2, de Brahms, com Stephen Hough, um recente CD intitulado American Violin Concertos com a Royal Liverpool Philharmonic Orchestra, a estreia do novo concerto de percussão de Joseph Phibb com Dame Evelyn Glennie e a rara performance da completa Incidental Music de Hassan por Delius no Cheltenham Festival.

Recentemente, ele se especializou em regência de trilhas sonoras de filmes com apresentações de O Mágico de Oz, Casablanca e Psicose. Em março de 2013, regeu a estreia europeia de Cantando na Chuva com a Royal Philharmonic Concert Orchestra no Royal Albert Hall em Londres.

 

PROGRAMA

H. Villa-Lobos - Bachianas Brasileiras Nº 4, Prelúdio

M. Arnold - Concerto para Violão e Orquestra, Op. 67

R. Schumann - Sinfonia N° 1 em Si Bemol Maior, Op. 38, "Primavera"

 COMPOSITORES

Heitor Villa-Lobos (1887-1959)

A genialidade de Villa-Lobos, nosso maior compositor, não ficou circunscrita apenas às obras que notadamente revelam o impulso criador indomado e abundante de sua juventude. No início de 1930, depois que o compositor havia chegado de uma longa e bem sucedida temporada em Paris, Villa-Lobos começa a se dedicar à composição da série de 9 Bachianas brasileiras que, como o título denuncia, procura revelar uma síntese entre a estética musical de J. S. Bach (1685-1750) e matrizes musicais brasileiras. Cada bachiana tem uma formação instrumental específica. A de número 4, originalmente escrita para piano solo, recebeu versão orquestral do próprio compositor. Está dividida em quatro movimentos que podem ser apresentados separadamente: Prelúdio (Introdução), Coral (Canto sertão), Ária (Cantiga) e Dança (Miudinho).

 Malcolm Arnold (1921-2006)

Premiado compositor inglês, ganhador de prêmios como o Oscar, Malcolm Arnold é um dos mais importantes compositores da Inglaterra no século XX. Compôs 9 sinfonias, 2 óperas e mais de 20 concertos, além de 132 temas para filmes. Após ganhar o prêmio máximo do cinema com o tema do filme "A ponte do Rio Kwai" em 1958, Arnold compõe o "Concerto para Violão e Orquestra op. 67", dedicado a seu amigo Julian Bream que, por sinal, fez a estreia. No concerto, que revela proezas melódicas em uma ambiência musical brilhante e plural, o compositor introduz modernas harmonias e progressões, mas sem, contudo, abandonar a tonalidade diatônica. A obra está organizada em três movimentos: Allegro, Lento-Vivace-Lento e Con brio-Piu mosso.

 Robert Schumann (1810-56)

Um dos nomes mais proeminentes do romantismo musical alemão, Robert Schumann tanto foi poeta, crítico musical, pianista, como inspirado compositor. Grande parte de sua produção musical foi dedicada ao piano que, a propósito, escreveu páginas fundamentais para a literatura do instrumento, como o "Carnaval op. 9" e os "Estudos Sinfônicos". Compôs 4 sinfonias que, juntamente com as de J. Brahms, têm lugar de destaque na música sinfônica do século XIX. A "Sinfonia nº 1 em si bemol maior, - Primavera, op. 38", foi escrita em 1841 e estreada sob a regência de F. Mendelssohn neste mesmo ano. Apesar do pouco entusiasmo da crítica, a sinfonia foi recebida pelo público de forma calorosa. Está organizada em 4 movimentos: Andante-Allegro-Molto vivace, Larghetto, Scherzo e Finale.

 

A ORQUESTRA FILARMÔNICA DE GOIÁS

A Orquestra Filarmônica de Goiás é um programa cultural de iniciativa do Governo do Estado de Goiás e está dentro da estrutura do Centro Cultural Oscar Niemeyer, um amplo conjunto criado e administrado para democratizar o acesso do povo goiano à arte e à cultura.

O CCON, como é conhecido, abriga ainda o Palácio da Música Belkiss Spenzièri; o Museu de Arte Contemporânea de Goiás; o Monumento aos Direitos Humanos e uma biblioteca. Além da Esplanada JK, o espaço aberto que, a cada dia mais, se torna o ponto de encontro e diversão das famílias e de esportistas goianos. Sediada no CCON, a Filarmônica de Goiás se apresenta em concertos musicais; abre audições para a contratação dos músicos; faz ensaios abertos ao público; oferece workshops e realiza concursos.

 HISTÓRICO

Vinculada ao CCON, a Orquestra Filarmônica de Goiás foi fundada em janeiro de 2012 por músicos oriundos da antiga Orquestra de Câmara Goyazes. Esta orquestra foi criada como instrumento de difusão de obras musicais, escritas especificamente para orquestra de câmara. Ela se apresentou em diversas cidades e festivais musicais do Brasil, tais como o Festival Vale do Café (RJ); Festival Internacional de Juiz de Fora (MG); Canto da Primavera (Pirenópolis) e Festival Internacional de Cinema Ambiental - FICA (Cidade de Goiás).  De 2003 a 2007 a Orquestra de Câmara Goyazes esteve sob a direção do violinista Alessandro Borgomanero, voltando, em 2008, à regência do maestro Eliseu Ferreira, que também foi seu titular entre os anos de 1999 e 2003.

Com a extinção da Orquestra Goyazes, em dezembro de 2011, a nova Orquestra Filarmônica de Goiás apresentou, pela primeira vez na história do Estado de Goiás, uma programação anual de concertos. Na temporada 2012, destacaram-se instrumentistas e regentes convidados de renome nacional e internacional, como Emmanuele Baldini, Johannes Gramsch, Fábio Cury, Laércio Diniz, Eduardo Monteiro, Luiz Garcia, Neil Thomson, Albrecht Breuninger e Ângelo Dias.

A partir deste ano, a Orquestra Filarmônica de Goiás tornou-se realidade, com uma programação anual de excelência, que deverá continuar nos anos vindouros, demonstrando o profissionalismo e a capacidade dos nossos talentos musicais.

 TEMPORADA 2014

Em 2014, a Orquestra Filarmônica de Goiás estreia em sua primeira Turnê Nacional, apresentando ao público obras essenciais do repertório sinfônico. A programação anual segue com as séries Quinta Clássica, Concertos para a Juventude, Filarmônica no SESI, Concertos de Câmara, Concertos Didáticos e Ensaios Abertos, Orquestra nos Bairros, além da II Turnê Estadual, do III Workshop Internacional de Regência Orquestral e do II Concurso Jovens Solistas.

Em seu terceiro ano de reformulações, a Orquestra Filarmônica de Goiás traz para a direção artística e regência titular o maestro britânico Neil Thomson, dono de grande experiência como professor de regência em escolas de música europeias, com currículo recheado de premiações e passagens ilustres pelas grandes orquestras do mundo.

Neil Thomson vem estabelecer um critério de excelência musical em Goiás. A sua contribuição é decisiva para a consolidação artística da Filarmônica, dando continuidade em seu crescimento qualitativo e atuação no cenário da música de concerto.

Além da presença de Neil Thomson na direção artística e regência titular, a Filarmônica de Goiás receberá durante todo o ano de 2014 artistas de renome como José Feghali, Arnaldo Cohen, Ian Parker, Fábio Zanon, Ittai Shapira, Aylton Escobar, David Rabinovich, Washington Barella, Luiz Filip, Jean Louis Steuerman, Pablo Rossi e Cláudio Cruz.

 

SERVIÇO:

 Quinta Clássica

Data e horário: 17/04, quinta-feira, pontualmente às 20h30

Local: Teatro Goiânia (Av. Anhanguera c/ Av. Tocantins, Centro)

Entrada franca

 

Mais informações, entrevistas e fotos em alta resolução:

Humberto Wilson

Gerente de Comunicação

 (62) 3201-4909

 (62) 9512-7979

 

Orquestra Filarmônica de Goiás

Centro Cultural Oscar Niemeyer
Fones: 3201- 4909
https://www.facebook.com/orquestrafilarmonicadegoias