Programação | CCON
16/08 a 23/10

Poteiro: colorista do Brasil

MAC recebe individual do mestre

  • MAC recebe individual do mestre

 

Sinopse do evento

Exposição Poteiro: colorista do Brasil

Abertura: 16 de agosto, às 20 horas

Local: Galeria Cléber Gouvêa, subsolo do MAC Goiás / Centro Cultural Oscar Niemeyer (Avenida Deputado Jamel Cecílio, nº 4490, Setor Fazenda Gameleira, Goiânia/GO, CEP 74.884-801)

Visitação: 17 de agosto a 23 de outubro de 2016

Horários: de terça a sexta-feira, das 9 às 17 horas, e aos sábados, domingos e feriados, das 11 às 17 horas

Entrada franca

Agendamento para visitas de grupos (escolas, universidades e outras instituições): (62) 3201-4918

Outras informações: (62)3201-4923

Classificação etária: livre para todos os públicos

Mídias Sociais

Confirme sua presença

O Museu de Arte Contemporânea de Goiás (MAC) abre na próxima terça-feira, 16 de agosto, às 20 horas, a exposição Poteiro: colorista do Brasil. A mostra apresenta 41 obras entre pinturas e esculturas produzidas nas décadas de 1990 e 2000, pertencentes ao acervo do Instituto Antônio Poteiro. As obras permanecerão expostas até 23 de outubro, com entrada franca.

Poteiro: colorista do Brasil tem patrocínio do Fundo de Arte e Cultura de Goiás e da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Goiânia. A curadoria é do crítico de arte Enock Sacramento, um dos maiores estudiosos da obra de Poteiro no Brasil. Ele fará uma visita guiada na abertura da exposição.

Para Sacramento, “a pintura que Antônio Poteiro nos legou é de uma inventividade extraordinária, difícil de encontrar na plástica brasileira. Sobre um fundo chapado, ele geralmente dispõe árvores, flores, animais, figuras humanas, isoladas ou em grupos. Há uma orquestração de azuis, amarelos, vermelhos, verdes e de outras cores que, combinadas, definem o universo pictórico poteiriano. Suas esculturas cerâmicas são de uma riqueza formal e volumétrica encantadoras. Sua arte agrada a leigos e eruditos”.

A exposição sediada pelo MAC é composta por 4 esculturas e 37 pinturas. Poteiro foi um dos artistas brasileiros de maior repercussão dentro e fora do país, notadamente no domínio da arte espontânea. Ele completaria 91 anos em 2016.

A expografia da mostra está sob a responsabilidade do curador do MAC, Gilmar Camilo, que acrescentou ao conjunto quatro esculturas do acervo do Instituto Antônio Poteiro. “As obras representam um conjunto expressivo da produção do artista, traçando uma perspectiva ampla do imaginário fértil de Poteiro, que não pode ser considerado um artista ingênuo, dada a riqueza de temas abordados em sua obra”, avalia ele.

Durante o período da exposição, o público também poderá conferir o documentário Cores, formas e contrastes, dirigido por Rogério Sáfadi em 2009. Nele, o artista, bastante à vontade, fala sobre seu processo de criação, e é possível vê-lo em ação produzindo seus últimos trabalhos escultóricos. Estas obras também terão lugar especial na mostra do MAC.

Diretora do Museu, Márcia Pires ressalta que “o espaço educativo do MAC foi ampliado para atender à demanda dos alunos das redes pública e privada, além de professores e arte-educadores do Estado. O programa atendeu 7 mil alunos no semestre passado, e agora foi dinamizado com ambientação para uma série de atividades, como oficinas e palestras”.

Sobre o artista

Antônio Batista de Souza, conhecido como Antônio Poteiro, foi ceramista e pintor. Nasceu em 10 de outubro de 1925, na Aldeia de Santa Cristina da Pousa, em Portugal. Participou duas vezes da Bienal Internacional de São Paulo (1981 e 1991), da Biennalle Internazionale NAÏF, Cittá di Como, Itália (1976) e da V Bienalle Internazionale NAÏFS, entre Fiera e Lombardia, Itália (1980), da III Bienal de Havana, Cuba (1989), da III Bienal de Artes de Goiás (1993) e da Bienal Naïfs do Brasil, SESC Piracicaba (1994). Recebeu numerosos prêmios entre eles o de Melhor Escultor Nacional, da Associação Paulista de Críticos de Arte - APCA, em 1985. Em 1997 foi destacado com a Comenda da Ordem do Mérito Cultural, do Ministério da Cultura, Brasil. Faleceu no dia 8 de junho de 2010 em Goiânia, capital do Estado de Goiás, cidade que o artista elegeu para viver e trabalhar.

Sobre o MAC

O Museu de Arte Contemporânea de Goiás (MAC) foi criado em 1987 e é hoje uma unidade do Centro Cultural Oscar Niemeyer (CCON). Seu acervo conta com mais de 1.200 obras, entre esculturas, desenhos, pinturas, gravuras, objetos, fotografias, instalações e mídias contemporâneas, produzidos por artistas locais, nacionais e internacionais. A Galeria Cléber Gouvêa, que recebe a exposição Poteiro: colorista do Brasil, tem 290,84 m² e situa-se no subsolo do MAC.