Programação | CCON
13/06

Oswaldo Montenegro

show “3x4”

  • show “3x4”

 

Sinopse do evento

show Oswaldo Montenegro

Local: Oscar Neimeyer
Data: 13/06
Horario: a partir 21:00


Ponto de Vendas
Dress to ( flamboyant e Bougainville )
Panelinhas do Brasil ( praca do Sol )
Armazem do Livro 

Mídias Sociais

facebook    youtube

 

Oswaldo Montenegro apresenta em Goiânia seu show “3x4”

Goiânia, dia 13 de junho (sábado), às 21h, no Centro Cultural Oscar Niemeyer

Unido ao bouzouki e ao bandolim de Sérgio Chiavazzoli, o violão de Oswaldo Montenegro costura, com a flauta de Madalena Salles e o "violão-blues” de Alexandre Meu Rei, uma verdadeira teia de complexas e diversas sonoridades. Dez horas por dia de ensaio, durante dois meses, resultaram num show com a excelência de um concerto.

O show é dividido em 4 blocos:

         No primeiro, Oswaldo canta as músicas mais alegres de sua carreira como compositor, misturadas a trechos de Villa Lobos, Bach, Waldir Azevedo, Patápio Silva e Vivaldi, numa verdadeira festa.

        No segundo, temos um desfile de inúmeros sucessos de Montenegro costurados entre si, como se fossem uma única obra. Um hit se sucede a outro, deixando o espectador sem fôlego.

         No terceiro, o diálogo com a plateia informaliza o “3x4”: o poeta bate papo, atende a pedidos do público e apresenta duas canções novas.

        O quarto bloco tem a atmosfera do “blues”. O “concerto” ganha contornos teatrais, com Madalena Salles brincando na gaita, vestida de “blues-man”, e os 3 virtuoses violões citando “hiffs” clássicos, levando a um final de extrema descontração e alegria, fazendo com que o público saia do teatro de alma lavada.

        “3x4”, como insinua a fotografia, registra a identidade desse artista único, que não se parece com ninguém, e mostra 3 faces (não fases) de sua obra, num show de 4 blocos, com 3 músicos se juntando a ele para formar uma banda de 4.

        E 3 por 4 é também o compasso de “Bandolins”, a primeira composição que o Brasil conheceu desse cantor-compositor-instrumentista que, depois de passear pelo cinema e pelo teatro, retorna à música, que é de onde veio e, segundo ele mesmo, onde mais ama estar.