Programação | CCON
20/03

OFG - Temporada 2014

Concerto de Abertura da Temporada 2014

  • Concerto de Abertura da Temporada 2014

 

Sinopse do evento

OFG - Orqestra Filarmônica de Goiás

Concerto de Abertura da Temporada 2014

Quinta-feira, 20 de março, às 20h30.

Local: Palácio da Música Belkiss Spenzièri,

Centro Cultural Oscar Niemeyer, Goiânia-GO

 

Mídias Sociais

facebook    youtube   

 

OFG - Orqestra Filarmônica de Goiás

primeiro concerto da temporada 2014 no Centro Cultural Oscar Niemeyer.

 

A Orquestra Filarmônica de Goiás, superintendência do Centro Cultural Oscar Niemeyer, realizará nesta semana o primeiro concerto da Temporada 2014. O evento acontece no dia 20 de março, quinta-feira, às 20h30, no Palácio da Música Belkiss Spenzièri, do CCON. O evento é aberto ao público, com entrada franca.

 

Sob a regência do maestro britânico Neil Thomson e com o solista José Feghali no piano, a orquestra apresentará o Guia dos jovens para a Orquestra, Op. 34, de B. Britten; Rapsódia de um tema de Paganini, Op.43, de S. Rachmaninov; e Sinfonia Nº 4 em Fá Menor, Op. 36, de P. Tchaikovski.

 

O solista

Medalhista de ouro e vencedor do prêmio de Música de Câmara no Concurso Internacional de Piano Van Cliburn, José Feghali já apareceu em mais de 1000 performances em todo o mundo, incluindo apresentações com orquestras como a Filarmônica de Berlim, Concertgebouw de Amsterdam , Rotterdam Philharmonic, Gewandhaus de Leipzig, Royal Philharmonic, BBC Philharmonic, Sinfônica de Londres, Birmingham Symphony, Sinfônica Nacional da Espanha, Filarmônica de Varsóvia, e as sinfônicas de Xangai e Pequim.

 

Nos EUA, ele tem aparecido em todas as grandes cidades e em praticamente todos os estados da nação, incluindo apresentações com as orquestras de Chicago, St. Louis, Dallas, Houston, Detroit, Atlanta, Baltimore, Pittsburgh e da Sinfonia Nacional, e já trabalhou com muitos maestros eminentes como Kurt Masur, Christoph Eschenbach, Yuri Temirkanov e Leonard Slatkin. Já se apresentou no Carnegie Hall, Chicago Orchestra Hall, Kennedy Center, Salão da Rainha Elizabeth Hall, Meyerson Symphony Center e em países como Canadá, México, Reino Unido, França, Holanda, Espanha, Portugal, Áustria, Alemanha, Itália, Suíça, Polônia, Bulgária, Turquia, China, Cingapura, Hong Kong e vários países da América Latina.

 

Feghali tem sido juiz em vários concursos internacionais de piano, dá masterclasses regulares e é membro do corpo docente de escolas de música no Texas. Suas gravações estão disponíveis nos selos Naxos, Koss e Vai. José trabalhou como produtor, engenheiro de gravação e masterização em mais de 50 projetos de gravação comerciais e não comerciais, e foi o engenheiro de remasterização para a série retrospectiva do Concurso Van Cliburn de CDs na etiqueta VAI.

 

O regente

Neil Thomson é um dos mais respeitados e versáteis maestros britânicos de sua geração. Nascido em 1966, estudou com Norman Del Mar na Royal College of Music em Londres e mais tarde em Tanglewood, com Leonard Bernstein e Kurt Sanderling.

O maestro assume em 2014 a direção artística e regência titular da Orquestra Filarmônica de Goiás.

 

Ele já gravou com a Orquestra Sinfônica de Londres, Orquestra Filarmônica Real de Liverpool e trabalhou nos concertos da Orquestra Filarmônica de Londres, da Philharmonia, da Orquestra Filarmônica da BBC, da Royal Scottish National Orchestra, da Hallé, da Orquestra Filarmônica Real, da Aarhus Symphony Orchestra, da Orquestra do Teatro Massimo em Palermo, Orquestra Sinfônica de Yucatan no México, Romanian Radio Chamber Orchestra e a RTE Concert Orchestra. Em maio de 2005, o maestro foi convidado para reger o concerto em homenagem ao cinquentenário da morte de George Enescu com a Orquestra Nacional da Romênia e os solistas David Geringas e Carmen Oprisanu.

 

Thomson fez atualmente estreias bem-sucedidas com a Orquestra Filarmônica de Tóquio, com as Orquestras Sinfônicas de Lahtu e de Oulu na Finlândia, a Royal Northern Sinfonia, a Orquestra Sinfônica de Israel, a Orquestra Sinfonica do Porto Casa da Música, a Orquestra da Rádio WDR, a Koln, Orquestra da Ópera Nacional de Gales, Orchestra of Opera North, a Royal Oman Symphony Orchestra, a Aurora Orchestra e a Nordic Youth Orchestra.

 

O regente tem se apresentado com vários solistas ilustres, como Sir James Galway, Dame Moura Lympany, Sir Thomas Allen, Dame Felicity Lott, Philip Langridge, Sarah Chang, Ittai Shapira, Steven Isserlis, Julian Lloyd Webber, David Geringas, Natalie Clein, Gyorgy Pauk, Brett Dean, Jean-Philippe Collard, Stephen Hough, Peter Jablonski e Sir Richard Rodney Bennett.

 

Colaborações recentes incluem o Schumann Cello Concerto com Steven Isserlis, a Ópera Gala com Danielle de Niese, o Concerto para piano nº 2 em lá maior, de Franz Liszt e o Concerto para Piano nº 2, de Brahms, com Stephen Hough, um recente CD intitulado American Violin Concertos com a Royal Liverpool Philharmonic Orchestra, a estreia do novo concerto de percussão de Joseph Phibb com Dame Evelyn Glennie e a rara performance da completa Incidental Music de Hassan por Delius no Cheltenham Festival.

Recentemente, ele se especializou em regência de trilhas sonoras de filmes com apresentações de O Mágico de Oz, Casablanca e Psicose. Em março de 2013, regeu a estreia europeia de Cantando na Chuva com a Royal Philharmonic Concert Orchestra no Royal Albert Hall em Londres.

 

De 1998 a 2006, foi chefe de regência no Royal College of Music. O mais novo a ser incumbido do cargo (primeiramente ocupado por Sir Adrian Boult em 1316 e, em seguida, por regentes como Sir Malcolm Sargent, Constant Lambert, Vernon Handley e Norman Del Mar). Em 1994, tornou-se membro honorário da RCM por seus serviços à instituição e tem estabelecido uma invejável reputação enquanto treinador orquestral.

 

Suas habilidades naturais como orador têm se aprimorado, fazendo crescer sua reputação como professor por toda a Europa. Foi convidado duas vezes para o EU - Sponsored Master Classes em Vilnius, Lituânia, e foi professor convidado no Mozarteum em Salzburgo, na Academia de Música Kakow e no Conservatório Arrigo Boito, em Parma.

Em 2002, foi convidado por Lorin Maazel para ser jurado da etapa europeia da Maazel Conducting Competition. Em 2007, foi jurado, ao lado de Gunther Schuller, no Eduardo Mata International Conducting Competition na Cidade do México e, em 2014, será jurado para o Prokofiev Conducting Competition em São Petersburgo.

 

Os compositores

 

Benjamin Britten (1913-76)

Grande nome da música inglesa do século 20, Benjamin Britten, além de compositor, foi pianista e maestro. Notório por ser um criador musical avesso às vanguardas, Britten compôs obra significativa, incluindo grande quantidade de música vocal. A peça Guia da Orquestra para os Jovens, op. 34, foi concluída em 1946 e estreada nesse mesmo ano pela Orquestra Filarmônica de Liverpool, sob a regência de Sir Malcolm Sargent. A obra, um conjunto de variações, cujo tema é o hornpipie do maior compositor barroco inglês, Henry Purcell (1659-95), tem como objetivo familiarizar os jovens com os instrumentos e naipes da orquestra: cordas, madeiras, metais e percussão. Uma fuga, ao final, é tocada por toda a orquestra: eis que o tema de Purcell ressurge, arrebatando o ouvinte, pouco a pouco, rumo ao epílogo grandioso.

 

Sergei Rachmaninov (1873-1943)

Pianista-compositor de maior destaque de sua geração, Sergei Rachmaninov, um pós-romântico de temperamento introvertido e angustiado, manteve-se fiel à estética musical do século 19, ignorando, portanto, os experimentos tão profusos na primeira metade do século 20. Rachmaninov escreveu a Rapsódia sobre um tema de Paganini, op. 43, em 1934, na Suíça. Neste mesmo ano, a estreou sob a regência de Leopold Stokovski, em Baltimore, nos Estados Unidos. Conjunto de 24 variações organizadas a partir do tema do Capricho para Violino nº 24, do lendário virtuose Niccolo Paganini (1782-1842), a Rapsódia ainda se vale do fatídico tema medieval Dies Irae, nas variações 7, 10 e 24. Obra intensa e dramática que fulgura entre as mais importantes da literatura pianística de todos os tempos.

 

P. Tchaikovsky (1840-93)

"Tudo é esquecido, você se torna quase um louco, tudo dentro de você estremece e pulsa, mal consegue criar um esboço e já vem uma ideia depois da outra", assim se expressou Piotr Tchaikovsky acerca do processo de composição de sua Sinfonia nº 4, op. 36, em Fá Menor (o trecho consta de uma carta para sua grande admiradora e mecenas, a rica Mme. Nadejda von Meck, em meados de 1878). A obra está organizada em quatro movimentos: Andante sostenuto - Moderato con anima; Andantino in modo canzona; Scherzo e Allegro con fuoco. O conjunto parece retratar as contingências da vida que são representadas, por exemplo, pela grandiosidade sonora dos metais, logo no início, seguida da serenidade das madeiras e cordas. O intenso contraste da obra se deve à instabilidade emocional do compositor que passava pelos anos mais difíceis de sua vida.

 

A temporada 2014

Nesta nova temporada, a Filarmônica receberá grandes solistas e regentes de renome internacional no Palácio da Música Belkiss Spenzièri - a casa da orquestra - e em outros teatros da capital.

 

Durante o ano, várias atividades trarão para o estado a excelência em música: o III Workshop Internacional de Regência Orquestral, a série Concertos Didáticos, para alunos de escolas públicas e particulares, e o II Concurso Nacional Jovens Solistas. Uma turnê nacional inédita e a segunda turnê estadual concluem a programação do calendário.

 

Para o novo diretor artístico e regente titular, o britânico Neil Thomson, "a Orquestra Filarmônica de Goiás é simplesmente um milagre. Na Europa e nos Estados Unidos vemos o fechamento das orquestras e, ainda assim, uma orquestra nasce aqui".

"Agora, a Filarmônica está pronta para entrar em uma nova e excitante fase de seu desenvolvimento. A temporada 2014 trará a Goiás um vasto repertório, maestros e solistas convidados de todos os lugares do mundo", afirma o regente.

 

Thomson é enfático ao dizer: "a combinação do talento, da determinação dos músicos e o apoio do Governo de Goiás nos dará uma orquestra para nos orgulharmos".

 

A vinda do maestro é vista por profissionais da área de música em Goiás como parte do processo de consolidação artística da orquestra e reflete a preocupação do governo em gerar um legado permanente para a música de concerto no estado.

 

Contatos e mais informações

Humberto Wilson

Gerência de comunicação da Orquestra Filarmônica de Goiás

(62) 3201-4934/4919