Programação | CCON
15/03

Balada Literária

Luiz Tatit

  • Luiz Tatit

 

Sinopse do evento

Balada Literária é um sarau com escritores e músicos nacionais e locais, que acontecerá uma vez por mês no Auditório Lygia Rassi do Monumento aos Direitos Humanos, com entrada franca.

Mídias Sociais

Centro Cultural Oscar Niemeyer

3201.4904

1

BALADA LITERÁRIA

No dia 15 de março, ás 20h, o Centro Cultural Oscar Niemeyer apresenta a 1ª Edição da Balada Literária, um sarau com escritores e músicos nacionais e locais, que acontecerá uma vez por mês no Auditório Lygia Rassi do Monumento aos Direitos Humanos, com entrada franca.

Para começar a temporada com tudo, teremos as presenças do músico e compositor Luiz Tatit e dos jovens poetas Walacy Neto, Kaio Bruno, Luiz Felipe de Aguiar Teixeira e Ks Nir Baks.

Que é Luiz Tatit?

O paulistano Luiz Tatit é músico, compositor e, em sua atividade com o grupo RUMO, gravou 6 CDs com 46 canções de sua autoria. Além disso, é coautor de músicas lançadas por Ná Ozzetti, José Miguel Wisnik, Fábio Tagliaferri, Dante Ozzetti, Chico Saraiva e já teve suas composições gravadas por Daúde, Zélia Duncan, Leila Pinheiro e Ney Matogrosso, entre outros. Tem criado numerosas canções para o público infantil nos projetos temáticos desenvolvidos pelo selo Palavra Cantada. Lançou, pelo selo Dabliú, os álbuns-solo Felicidade (1998), O Meio (2000), Ouvidos Uni-vos (2005), Rodopio (2007), este último gravado ao vivo e lançado também em DVD, e Sem Destino (2010).

Luiz Tatit é também professor Titular do Departamento de Linguística da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo e autor dos livros A Canção: Eficácia e Encanto (Ed. Atual, 1986), Semiótica da Canção: Melodia e Letra (Ed. Escuta, 1994), O Cancionista: Composição de Canções no Brasil (Edusp, 1996), Musicando a Semiótica: Ensaios (Ed. AnnaBlume, 1997), Análise Semiótica Através das Letras (Ateliê Editorial, 2001), O Século da Canção (Ateliê Editorial, 2004), Todos Entoam – Ensaios, Conversas e Canções (Publifolha, 2007), Elos de Melodia e Letra (Ateliê Editorial, 2008), este em colaboração com Ivã Carlos Lopes, e Semiótica à Luz de Guimarães Rosa (Ateliê Editorial, 2010). Ainda em colaboração com Arthur Nestrovski e Lorenzo Mammì, lançou o volume Três Canções de Tom Jobim (Cosac e Naify, 2004).

Em 2000, Luiz Tatit foi um dos finalistas indicados para o Prêmio Multicultural Estadão (Categoria Criador). Em 2006, o CD Ouvidos Uni-vos ganha o 2º Prêmio Bravo! Prime de Cultura, na categoria Música / CD.

Em âmbito internacional, Tatit publicou os artigos "La mujer en la cancion brasileña" (El Urogallo - Revista Literaria y Cultural, Madri, julho-agosto de 1995, nº 110/111), "Musicalisation de la sémiotique" (Eric Landowski -ed.- Lire Greimas, Limoges, Pulim, 1997), “Questioni di gusto in Il banchetto di Mário de Andrade” (Eric Landowski / José Luiz Fiorin -eds.- Gusti e disgusti - sociosemiotica del quotidiano, Torino, Texto & Immagine, 2000), “Analysing popular songs” (David Hesmondhalgh / Keith Negus -eds.- Popular Music Studies, London, Arnold, 2002), “La verdad extraordinaria” (Tópicos del Seminario, 7 Benemérita Universidad Autónoma de Puebla, 2002), “O GR de Greimas: um estudo do destinador transcendente” (Perfiles Semióticos – Revista de Estudios Semiolinguísticos, Ano 1, nº 1, Ediciones del Rectorado, Mérida, 2003), “Ordre et désordre dans ‘Fora da Ordem’. Une approche de la chanson brésilienne”, em col. com Ivã Carlos Lopes (Nouveaux Actes Semiotiques, nº 92, 93, Limoges, Pulim, 2004) “Terre! Aborder la chanson”, em col. com Ivã Carlos Lopes (Protée – Revue Internationale de Théories et Pratiques Sémiotiques, V. 33, nº 2, Québec, 2005), “Concevoir le temps à partir de la chanson”, em col. com Ivã Carlos Lopes (Denis Bertrand / Jacques Fontanille (eds) - Régimes sémiotiques de la temporalité, Paris, PUF, 2006), “L’émotion chantée: Eu sei que vou te amar”, em col. com Ivã Carlos Lopes (Semiotica: Journal of the international association for semiotic studies, Vol. 163 – 1/4, 2007) e “Éloge du léger”, em col. com Ivã Carlos Lopes (D. Ablali / Sémir Badir -eds. – Analytiques du sensible pour Claude Zilberberg, Limoges, Lambert-Lucas, 2009.